sábado, 2 de junho de 2007

FAZENDO O ROTEIRO


Neste caso eu preferi desenvolver a narrativa ao mesmo tempo em que criava os desenhos. Normalmente eu digito os diálogos e recordatórios e depois de revisar, escrevo tudo a mão. Aqui não deu pra fazer isso. As 600 páginas da obra de Cervantes tinham que ser tratadas de outra forma.


Eu precisava deixar a narrativa fluir nas minhas páginas para não me aprisionar, como aconteceu com o Memórias de um Sargento de Milícias, onde me programei por massas de texto, espaços e páginas a serem tomados. Com Dom Quixote a coisa tinha que correr de forma mais solta, mesmo. Mais louca.

Acho que estou conseguindo criar sequências de ações que casam com o antes e o que virá a seguir.

Esse é praticamente o traço que deixo para começar a arte-final. Gosto de detalhar com as canetas. O lápis sugere, a tinta explica. As cores criam novas dimensões...

Um comentário:

Lillyando disse...

DEMAIS, DEMAIS, DEMAIS, cara!!!!!!!!!
Você se superou nessa adaptação livre para os quadrinhos!!! Tô bestinha!!!
A - DO - REI!!!!!!!!!!!! Bjão